Nos rastros do Réptil 2

A artificialidade não conduz ao artifício. E nem o contrário. Apesar da aparência entre os termos, eles levam a coisas diferentes e até opostas. A artificialidade, o artificial, pretendem à factibilidade, e, por isso, evocam a aparência. Demandam a ambivalência e namoram a aparência.

O artificio, por sua vez, pretende ao caminho. O artifício é fático. Não é um juízo de valor e não é um dispositivo da ética. É um instrumento operador de antídotos para os venenos da artificialidade. A função do artifício é desvendar e eventualmente desmascarar, a artificialidade.

A artificialidade é ornamento, embelezamento, enquanto o artifício, como nos diz Baudelaire, “n’embelli(t) pas la laideur et ne (peut) servir que la beauté”.

O artifício desconstrói a artificialidade, tal como o relativo e a teoria da relatividade desconstroem o relativismo. Na mesma medida, uma coisa é a máquina, e outra, a maquinação. Na mesma medida, os dispositivos cênicos do teatro despem e desvelam as cênicas e a teatralidade da vida e da alma das pessoas e dos mundos.

Da mesma maneira procede a alegoria. A alegoria é um dispositivo fático que foge da ética e dos juízos para desvelar o mundo.

Autor: Fábio Horácio-Castro

Escritor, jornalista, pesquisador, sociólogo, etnógrafo, fenomenólogo, professor. Sou também Fábio Fonseca de Castro e Fábio de Castro da Gama. Conforme a ocasião, o nome.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: