Domingo reverso

A gente acaba perdendo a paciência. Eis que a Folha de São Paulo publica (mais) um artigo sobre “racismo reverso”. Desta vez um texto do Antonio Risério, intitulado “Racismo de negros contra brancos ganha força com identitarismo“.

E ainda querem que acreditemos que há inteligência crítica na grande imprensa brasileira.

“Racismo reverso”, ou melhor, racismo de negros contra brancos, é uma ficção do fascismo brasileiro. É uma fantasmagoria irrisória. Poderia dizer que é patética, porque não se sustenta, mas é preciso dizer que, na verdade, é canalha e cruel, porque visa a renovar e, portanto, a perpetuar, a opressão racista. Me dei ao trabalho de ir ler esse artigo. Um monte de frases soltas, reunidas para chamar atenção para o termo. O autor é um antropólogo sem antropologia. O jornal dispensa o jornalismo. Só o racismo resta efetivo.

“Racismo reverso” não existe, nunca existiu e, simplesmente, não pode existir. Não pode existir porque o racismo é um instrumento de controle, de opressão e de submissão ideológica produzido no contexto de uma luta de classes que, na história do Brasil, sempre significou o controle dos negros pelos brancos. Estruturalmente, nunca houve negros oprimindo brancos, e é por isso que não se pode falar nesse disparate. Dizendo de outra maneira, “racismo reverso” é apenas mais uma forma de racismo.

Sem nenhuma surpresa, percebemos que o autor, branco, não tem um único exemplo, uma única experiência pessoal de ter sido vítima de racismo reverso para contar.

Eu, que sou branco, também não teria um único exemplo a dar, mas poderia oferecer milhares de exemplos de como o racismo me foi oferecido, pela sociedade em que vivo e da maneira mais indigna possível, como instrumento de poder.

A Folha também não tem um único exemplo a dar de “racismo reverso”. O que ela quer é oferecê-lo como instrumento de poder a uma sociedade já bestializada.

O que a Folha quer é, apenas, re-legitimar o velho mote de que o Brasil é uma “democracia racial”, uma das maiores autoficções da inteligência brasileira, em todos os tempos.

Toda solidariedade aos movimentos negros. Vamos trabalhar para destruir essa falácia.

Autor: Fábio Horácio-Castro

Escritor, jornalista, pesquisador, sociólogo, etnógrafo, fenomenólogo, professor. Sou também Fábio Fonseca de Castro e Fábio de Castro da Gama. Conforme a ocasião, o nome.

2 comentários em “Domingo reverso”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: